R J Cardoso

Poesia de Amor

Textos


Simplesmente vida

Minha vida nasce no espectro do calmo albor
Que nunca se renova diante da emoção
Mas deixa sinais de comprometimento
No doce mistério e na insigne visão poética.

O acaso segue o acaso no vasto sonho meu
Regresso no barco que navega a imensidão da hora
O espectro que brada por compadecimento
Vem da sombra na essência implícita na homilia.

O que significa a fêmea ao meu redor, próxima de mim
Senão o desejo efêmero do amor carnal
Que aos poucos vai sendo levado pelo vento leve
Lançando vidas jamais idealizadas em tempo de morte

A luz que me ilumina ascende esse espectro as estrelas
E o tira do mar de incertezas existente
Joga pelos ares palavras que alegram os anjos
Para acordar junto da estrela guia antes do amanhecer.

Meu amor é cem por cento luz em noites nebulosas
Tem o infinito como fim a aplacar inúteis desavenças
Deseja ficar olhando o mar do Pão-de-açúcar ou do Cristo
Ovacionando a liberdade dos homens enquanto é dia.

Os sons repetidos de soluços e lamentos neste instante
Morrem nos intensos paredões das montanhas rochosas
Porém a multidão atônita apenas pergunta por que tanto
Ódio ao semelhante que caminha em direção oposta?

Palavras voando feito papagaio cortam o céu de minha alma,
Cujos cordões tendem a se partir nos confins da esperança,
Enquanto chora a poesia ao pressentir que haverá ainda
Anos e anos a serem dedicados ao obscurantismo das massas.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 03/05/2018
Alterado em 03/05/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras