R J Cardoso

Poesia de Amor

Textos


Atriz


No carro de vidros negros pergunto se queres amor
Dirás-me talvez hoje não, o dia foi duro.
O trabalho roubou-me toda a energia acumulada
Nas cenas improvisadas de o Menestrel de Shakespeare.

A ti pedirei avenca, dália e rosa, expressão máxima,
Quando no apogeu da emoção que alucina
Aproximar-me-ei de ti para entregar o símbolo
Eterno do amor que juntos juramos, voce e eu

E sob a luz do luar nos campos agrestes te oferecerei
A canção do milênio na voz do Rei Roberto Carlos
E cantarás e chorarás desesperadamente
Porque não terei eu te abandonado, foi acaso do acaso.

Pela manhã entraremos na cachoeira límpida
De agua essencialmente natural
Ouviremos pássaros e vozes de transeuntes,
Mas, distantes e só na imensidão dos sonhos.

E no bosque das ilusões adentraremos e faremos amor...
Mentalmente chamaremos a mãe d’água
Iemanjá protetora dos grandes mares
E luz das manhãs ensolaradas de setembro.

Depois recolheremos aos aposentos ínfimos
Do tipo para criança recém-nascida
Abraçarem-nos adormecidos quem sabe
Para acordar no próximo ano e na primavera
Que flores de variadas nuanças promete.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 01/05/2018
Alterado em 01/05/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras