Textos


Do outro lado da rua

Acordo e no meio da noite te vejo
Pelos campos a vagar no expoente
Sem destino, no mar calmo, mas sombrio,
No poético alvorecer de leve brisa.

Tomado pelo sono olho, na escuridão
Bate a fantasia do amor em mim
O céu se rende enquanto demônio sorri
Crápulas zombam de mim na imensidão.

Sou o vento! Sou água! Minha vida corre
Na dimensão do flanco que me limita
E me transporta para onde o mar começa.

Rápido. Mas como a água e o vento
Se combinam, ficam aflitos
E logo me arremessam contra a rocha.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 26/04/2018
Alterado em 26/04/2018


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr