Poesia Amor

Vida, presente de Deus

Textos


(*)Saga do roceiro

Por que os fihos das cidades do interior vão embora
Se tens a comunhão no templo tão boito
Cuja Luz da congregação nunca se apaga?

Criança - chuva de prata e alegria -
Cuida de tuas planícies e chapadões,
Com serenidade e bom gosto todos os dias

Em ti se vive e se morre porque a vida é assim,
Porém ficam as marcas do que se foi...
Terra por Deus protegida,
Benditas são raizes e flores de tuas plantações.

Rasga-te o Rio de ponta a ponta
Sobre a ponte de travessia do Bairro
O assisto carregado de detritos
E o poeta nele insistindo em colocar seu barquinho de papel.

Nos templos alguém ilustra e defende a vida
No sacerdócio da imagem adotada
No Santuário reúnem-se centenas de fiéis
Onde em homilia “Memorias Póstumas” são faladas.

Chega ao fim, um após o outro vai embora
De alma lavada por ter com Deus conversado
Para voltar no próximo fim de semana
A mais nobre e contempladora jornada.

(*) Povo da roça reunido na cidade nos fins de samana
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 26/07/2017
Alterado em 29/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras