Poesia Amor

Vida, presente de Deus

Textos




Num canto sentado, calado olhando o infinito,
Desejei-lhe o amor mais bonito - zero a zero 
Para a vida continuar fluindo... Paixão sem fim.

Com dignidade, sem maldade ou crueldade
Que na cidade poderia acontecer.
Acorda Zé! Levanta! Vamos que o sol já vem!
Zé olhou e voltou se deitar entre as tralhas no colchão.

Não sei se pegou no sono diante do barulho
E focado na veracidade dos homens de bem.
De novo chmaei: Zé vem! Olha o café com pão!
Vem comer para depois perambular pela cidade!

Café com pão? Quero não! Só café com amor
Para apagar esta dor. Cansei de dormir na rua,
Sob a luz da Lua de que clareia
E faz minha ceia de louvor se encantar.

Pôxa Zé! Já sei voce não vem porque teme o perigo
Teus amigos Raimundo chisparam,  rebelaram-se
Porque nada material voce tinha para oferecê-los
No exaspero das lágrimas ou no agouro da paixão.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 22/07/2017
Alterado em 23/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras