Poesia Amor

Vida, presente de Deus

Textos


Vulto

Era primavera, organizadas as flores se abriam.
Na mesa um caderno, um micro desligado.
Ao lado o retrato dela na praia do arpoador,
Tirado para eternidade, acalanto da ternura.

Na gaveta outro caderno, um grampeador,
Cartões de visita. E um furador...
Trancou a gaveta e pensativo saiu
Olhou a sala; e antes de partir a porta fechou.

Pela rua de casas geminadas se foi
Parou e na porta da igreja pareceu rezar...
O vento arbustos balançava
Calmas as janelas se abriam
Mulheres se confraternizavam...
Contrapondo-se a rebeldia
Que o insensato homem apregoava...

Nobreza do destino fez o menino na vida acreditar
Subiu no disco voador
E falando frases de amor
Desapareceu no ar...
Não sei se era Deus que viera
Outra vez para o planeta salvar.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 21/04/2017
Alterado em 21/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras